Views:
0

Confesso, só de ouvir os álbuns da Lily Allen, já fico querendo virar amiga dela. Além de batidas divertidas, a cantora inglesa compõe músicas sinceronas e sarcásticas com aquilo que todos tem vontade de dizer. Enquanto estamos começando a lutar pelos nossos direitos e aprendendo a falar abertamente sobre alguns problemas, Lily já tratava sobre vários assuntos, como feminismo, machismo e sexualidade, há tempos atrás, quando começou sua carreira.

Lily Allen pode até não estar mais tão estourada nas paradas, como costumava ficar, mas isso não impede de apreciarmos o trabalho dela ainda hoje, afinal de contas está mais atual do que nunca. Durante o tempo que Allen ficou longe dos holofotes, houve bastante artistas que ousaram se inspirar na arte dela, como Katy Perry e Manu Gavassi com músicas como Ur So Gay e Eu Dou Risada, respectivamente. Lily, inclusive, já citou Katy e outras cantoras pops na música Sheezus, em que ela diz que ficar em segundo lugar não é o bastante para as divas e ela quer “estar nos topo”.

A própria Manu já confirmou várias vezes gostar muito do trabalho de Lily, “O que eu gosto dela [Lily Allen] é que sempre tem arranjos fofos nas músicas e as letras nunca são fofas”, contou ela ao falar sobre como a cantora foi uma inspiração para o novo álbum.

Mas, felizmente, ninguém consegue tomar o lugar da acidez e confiança de Lily Allen. E por isso vamos atrás de algumas das músicas dela e sinta-se à vontade para procurar outras canções e se apaixonar pelo estilo irreverente da cantora. Não esquece de comentar aqui o nome da música que você mais gosta dela. 😉

Escolhi algumas versões ao vivo porque acho que as músicas ficam ainda mais reais e boas sem a voz dela toda produzida no estúdio.

  • Hard Out Here – Acústica

Não preciso sacudir minha bunda para você

Porque tenho um cérebro

Se eu te falo da minha vida sexual

Você me chama de vagabunda

Mas quando os garotos falam de suas vadias

Ninguém cria caso

  • The Fear

Eu quero ser rica e eu quero muito dinheiro

Não quero saber da inteligência nem da diversão

Eu sou uma arma de consumo em massa

E isso não é minha culpa, foi como eu fui programada para funcionar

  • LDN

Quando você olha com seus olhos

Tudo parece bonito

Mas se você olha pela segunda vez

Pode ver que é tudo mentira

Havia uma velhinha que andava pela rua

Ela estava carregando sacolas de compras

Depois veio uma criança e ofereceu uma ajuda

Mas antes que ela tivesse tempo de aceitar

Ele bateu na cabeça dela, sem ligar se morreu

Pois agora ele tem todas suas joias e carteira

Essa é a vida na cidadade

  • URL Badman

Trabalho em casa no porão dos meus pais

Eu não trollo, eu faço declarações

Eu não sou um clichê, sentado vestindo pijamas

Deixe seu comentário